Eventos de preparação para a II Marcha das vadias iniciam nesta terça-feira

FOTO: Marco Antônio Favero / “Marcha das Vadias de 2012”
O Coletivo Feminista Corina Portugal promove pelo segundo ano consecutivo a Marcha das Vadias de Ponta Grossa no próximo sábado dia 17 de agosto, com concentração na praça Barão de Guaraúna. Durante a semana que antecede a manifestação o Coletivo organiza eventos de formação para preparar os manifestantes e também fomentar o debate sobre gênero e feminismo na sociedade.
Lerysse Scolimoski participou da Marcha das Vadias de Curitiba e esse ano integra a organização da Marcha de Ponta Grossa. A estudante afirma que o evento ajuda a chamar a atenção da população com o objetivo de mostrar alguns tipos de violência que as mulheres sofrem todos os dias e ficam mascarados. “A minha expectativa pra Marcha aqui de Ponta Grossa é que a adesão seja grande, que a Marcha alcance novas pessoas. Os eventos de preparação são importantíssimos, eles ajudam a construir o movimento a partir de pluralidade e horizontalidade.”
A agenda de eventos que antecede a Marcha das Vadias de Ponta Grossa começa terça-feira dia 13/08. A partir das 18h30 serão exibidos videodocumentários feministas no pátio do restaurante universitário do campus central da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Na quarta-feira os integrantes do Coletivo realizam uma oficina de batucada para preparar os instrumentos que serão usados na Marcha. Para participar é preciso levar panelas, latas ou instrumentos ajudem na sonorização da manifestação.
Na quinta-feira haverá uma mesa de discussão e formação sobre os diferentes aspectos da vivência de pessoas trans no Brasil. A mesa conta com a participação de Andreia Lais Cantelli, mulher trans e professora da rede Estadual de Ensino, no Instituo de Educação do Paraná em Curitiba e Rafaelly Wiest, mulher trans representante paranaense no comitê de formulação de Políticas Públicas Para pessoas trans no Ministério da Saúde.
Participam também Xênia Mello, advogada, militante feminista, que atua no enfrentamento da violência contra a mulher e direito das pessoas trans e Debora Lee, mulher trans, Presidente do Grupo Renascer de apoio à população LGBT, por fim Alícia Krüger que vai coordenar o debate. Os temas serão Transexualidade/travestilidade e educação, políticas públicas de saúde para a população trans brasileira, aspectos jurídicos da transexualidade/travestilidade e importância dos grupos de apoio e a militância trans, respectivamente.
Por: Maria Fernanda Teixeira