Parque Ecotecnológico atrai mais duas empresas de alta tecnologia

Foto: Divulgação
O Parque Ecotecnologico de Ponta Grossa vem atraindo o interesse de empresas de tecnologia de todo o Brasil e também do exterior. Nesta terça-feira, mais duas empresas de tecnologia de ponta anunciaram a implantação em Ponta Grossa: a Totvs, empresa especializada em software de gestão, e a holandesa Riklsat Enterprises, que traz para o Brasil tecnologia inovadora em sinais para internet para locais afastados dos centros urbanos. Os representantes das empresas estiveram reunidos com o prefeito Marcelo Rangel e com o secretário de Indústria, Comercio e Qualificação Profissional, Álvaro Scheffer.
O bom cenário econômico pelo qual passa Ponta Grossa, a inovação do projeto do Parque Ecotecnológico e a abertura da administração municipal para o diálogo são citados pelos empresários como fatores decisivos para a escolha por Ponta Grossa. A Totvs, considerada a maior empresa brasileira de software e a sexta maior do ranking mundial, no segmento de sistemas para gestão de empresas, tem a expectativa de gerar cerca de 60 empregos, além de desenvolver novas tecnologias e aprimorar o setor. “A gente acredita muito no projeto – Parque Ecotecnológico - e o momento econômico que Ponta Grossa vive foi fundamental para a nossa decisão”, disse o diretor de atendimento da empresa, Edemar Kluck.
Já a Riklsat Enterprises, representada no Brasil pelo diretor de Tecnologia de Informação, Fábio Sato, pretende a partir do Parque Ecotecnológio de Ponta Grossa atender o Sul do país. A empresa de origem holandesa traz para o país uma nova tecnologia e promete atender pessoas que não possuem internet banda larga por estarem afastadas dos centros urbanos. “Nossos clientes não precisarão aguardar a instalação dos pontos de acesso as suas residências. Nossos engenheiros e técnicos analisam o local e posicionam os ‘ipostes’, garantindo assim banda larga em toda área de abrangência desejada, simultaneamente iluminando o ambiente” explica Sato.
Com o anúncio da Totvs e da Riklsat Enterprises, o Parque Ecotecnologico conta com dez empresas confirmadas. Além dessas, outras dez estão em fase de negociação para a instalação e devem confirmar a vinda até julho. O Parque Tecnológico tem a capacidade para abrigar nesta primeira fase 85 empresas e permitirá uma integração importante entre o desenvolvimento econômico de Ponta Grossa e a preservação ambiental. O Parque será um espaço para negócios baseados em conhecimento, desenvolvimento tecnológico, pesquisa cientifica, inovação e incubação de tecnologias.
Depois de um tempo com as obras paradas, devido a problemas documentais, a prefeitura de Ponta Grossa volta sua atenção para o Parque Tecnológico. Neste mês, foi autorizado o início das obras de pavimentação, que estão sob responsabilidade da Secretaria de Obras e Serviços Públicos. De acordo com o diretor do Departamento de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Indústria, Comércio e Qualificação Profissional, Alexandre Zammar, a prefeitura trabalha também na implantação da infraestrutura, como a implantação da fibra ótica, redes de energia e de água e com o licenciamento ambiental. “Ficamos praticamente quatro anos para resolver as pendências com os documentos, mas agora está tudo resolvido e seguiremos com o projeto”, diz Zammar.

Fonte: Assessoria de comunicação da prefeitura de Ponta Grossa