Procon notifica Sanepar

A empresa deverá regularizar o abastecimento até quarta-feira (19), caso contrário, será aplicada multa que pode chegar a R$ 1,8 milhões. O Procon também exige a extinção da taxa mínima que obriga o consumidor a pagar pelo serviço que não utilizou
Termo de visita
A Coordenadoria de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon)  de Ponta Grossa notificou  esta semana a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar). De acordo com a notificação o abastecimento deverá ser normalizado até a próxima quarta-feira (19). Caso a determinação não seja cumprida, o Procon aplicará multa que pode chegar a R$ 1,8 milhões. O Procon também exige a retirada da taxa mínima referente a 10 metros cúbicos, cobrada na tarifa enviada aos consumidores.
“Se a Sanepar não regularizar os serviços até a data estimada, a empresa será autuada e poderá pagar multa”, esclarece o coordenador do Procon, Davison Silva. Em relação à taxa mínima cobrada dos consumidores, Silva, explica que ela é ilegal: “queremos garantir que o consumidor pague apenas o que ele realmente usou. Essa taxa mínima cobrada é inconstitucional, obriga o consumidor a gastar aquilo que ele não pode e nem é obrigado a gastar, a exigência da retirada desta taxa já poderia ter sido feita pelas gestões anteriores”.
Conforme as informações do Procon muitos são vários os tipos de reclamações sobre a ineficiência dos serviços da Sanepar. “As pessoas nos procuram pra reclamar sobre a qualidade da água, que muitas vezes, chega com sujeira nas casas, sobre os serviços ligados ao atendimento, principalmente, quando falta água e o telefone da Sanepar não está funcionando como deveria. Também nos procuram pra falar sobre a falta de água que não acontece somente em períodos com escassez de chuva”, explica o coordenador do Procon.
Fonte: Assessoria de comunicação da prefeitura de Ponta Grossa