Prefeitura firma parceria para construção da Usina de Tratamento de Lixo


  
   O prefeito Marcelo Rangel e o secretario de Planejamento, João Ney Marçal Junior, estiveram nesta sexta-feira (28) em Curitiba com o presidente da Sanepar, Fernando Ghignone e o deputado estadual Plauto Miró Guimarães (DEM). Na ocasião foi firmada a parceria com a empresa para a construção da Usina de Tratamento de Resíduos. Com investimento de R$ 60 milhões a usina será fundamental para a destinação correta dos resíduos, pois os materiais orgânicos serão transformados em energia. O empreendimento terá capacidade para receber 400 toneladas de lixo por dia. Para a construção a prefeitura contará também com a parceria do Governo do Estado. As secretarias municipais de Planejamento e de Meio Ambiente trabalharão em conjunto nesse processo.  A estimativa é de que em junho de 2014 a Usina de Tratamento de Resíduos esteja funcionando.

A participação da comunidade será fundamental para o processo principalmente na coleta seletiva, destaca o secretário de Planejamento João Ney Marçal. “Para o processo de separação do lixo vamos contar com o envolvimento da comunidade e dos Programas das Cooperativas dos Catadores”, diz. Segundo Marçal a etapa agora é de estudos: “estamos avaliando em parceria com a Sanepar as diversas tecnologias que podem ser utilizadas para que o lixo seja tratado da forma correta”, finaliza. O presidente da Sanepar, Fernando Ghignone, destaca que Ponta Grossa será exemplo na utilização de técnicas viáveis para a solução do lixo. “O fato de a cidade ser pioneira em relação à forma de tratar os resíduos, será uma marca registrada que, inclusive dará projeção à Ponta Grossa”, diz Ghignone.  Para o prefeito Marcelo Rangel as políticas voltadas à destinação correta dos resíduos são de extrema importância para a qualidade de vida: “quando tratamos corretamente esse problema que não exclusivamente nosso, estamos pensando também na saúde, que começa pela preservação do meio ambiente”. Rangel esclarece que a Sanepar terá a incumbência técnica no processo. “A empresa desenvolveu vários estudos para a usina, estamos escolhendo as melhores tecnologias para o sistema, acredito que com a integração das secretarias municipais e da Secretaria de Meio Ambiente do Estado, teremos totais condições para desenvolver uma campanha para a coletiva seletiva”, conclui o prefeito.