O Centro de PG é área mais turbulenta

Câmeras de vigilância mostram que mais de metade das ocorrências atendidas pela Guarda Municipal são verificadas na região central
Foto: Divulgação
Entre atos de vandalismo, cometimento de crimes, manifestações, acidentes e outras áreas que demandam ação da Guarda Municipal, a região Central de Ponta Grossa é, de longe, a mais turbulenta. “Como ocorre nas cidades em crescimento e nas metrópoles”, lembra o secretário de Cidadania e Segurança Pública, Ary Lovato. Esta semana, ele divulgou os resultados da apuração de todas as mobilizações da Guarda Municipal, em 2013, decorrentes de situações verificadas através do sistema de monitoramento eletrônico que cobre uma parte bastante razoável da cidade.
No total, são 28 câmeras – de longo alcance e alta performance – instaladas em pontos estratégicos, monitoradas 24h por dia. E permitindo, sempre que uma situação anômala é constatada, uma equipe da Guarda Municipal é despachada para o local e, em muitos casos, também acionados outros serviços públicos, dependendo da natureza da ocorrência, como o Corpo de Bombeiros, o Siate, o Samu ou a Polícia Militar.
Apesar de servir como elemento de dissuasão, com isso fazendo despencar as ocorrências de ações delituosas nas áreas atendidas, em alguns pontos as intervenções são ainda necessárias: uma em cada quatro situações que requerem a atuação da Guarda Municipal é verificada no Parque Ambiental. Ou, mais especificamente, 27,3% do total. O período vespertino – das 15 às 23 horas – é quando acontece a maioria dos casos e, ainda, é a prática de delitos, no total das ocorrências captadas pelas câmeras, que ocupa a maior parte do tempo dos guardas: 29% de todos os registros dizem respeito a algum tipo de atividade criminosa.
O monitoramento através das câmeras auxilia o trabalho da Guarda Municipal no policiamento ostensivo a pé ou nas viaturas atendendo ocorrências ou realizando o patrulhamento nas ruas e bairros das cidades e inibe a ação de pessoas mal-intencionadas, depredadores, invasores e pichadores. Além desse auxílio, as câmeras servem para intensificar as ações de prevenção e repressão ao crime e ao mesmo tempo diminuir a sensação de insegurança da população. O sistema de monitoramento eletrônico de locais públicos tem facilita a inibição de delitos, o flagrante em tempo real e identificação do infrator.
“Muitas ações já foram resolvidas, suspeitos identificados e alguns delitos até evitados por conta das câmeras de monitoramento”, anota o secretário Ary Lovato.
ONDE ESTÃO
As câmeras de monitoramento abrangem diversas regiões da cidade, estando espalhadas por áreas em que há maior movimentação de público ou em que os registros de ações delituosas são mais freqüentes. No Parque Ambiental há algumas delas, assim como na Avenida dos Vereadores, nas imediações do Estádio Germano Krüger, no Terminal Central, próximo à Santa Casa, na região da Rodoviária, na Avenida München, no viaduto da Souza Naves, na Vila Estrela, no núcleo Santa Paula, no Centro Agropecuário e na UEPG, entre outros.
  • O que as câmeras flagram
  • Entre outras situações:
  • - ocorrências de crime (29%)
  • - abordagens da PM (19%) e da Guarda (11%)
  • - acidentes de trânsito (13%)
  • - acompanhamento de passeatas, protestos e veículos suspeitos (9%)
  • - apoio à PM e outros órgãos (5%)
Fonte: Assessoria de comunicação da prefeitura de Ponta Grossa